Tribunal de Haia

África do Sul volta a acusar Israel de genocídio: “Aniquilação contínua”

O país africano, que apresentou seu caso em janeiro sobre a guerra de Israel em Gaza, está buscando medidas de emergência adicionais sobre sua ofensiva em Rafah

O líder do Hamas, Ismail Haniyeh, divulgou, nesta segunda-feira (6), que o grupo terrorista aceitou o acordo de cessar-fogo proposto pelo Egito e Catar, mediadores das conversas entre palestinos e Israel.
Conflito em Gaza já dura mais de sete meses – Créditos: Getty Images

A África do Sul fez um apelo à Corte Internacional de Justiça (CIJ) para que ordene a Israel que interrompa seu ataque a Rafah como parte de seu caso acusando o país de genocídio contra os palestinos.

Publicidade

O país africano, que apresentou seu caso em janeiro sobre a guerra de Israel em Gaza, está buscando medidas de emergência adicionais sobre sua ofensiva em Rafah, uma cidade no sul da região onde mais de um milhão de palestinos deslocados buscaram abrigo dos ataques israelenses em outras partes do enclave. Ele disse à corte em Haia na quinta-feira que o povo palestino enfrenta “aniquilação contínua” e que o ataque a Rafah faz parte do “fim de jogo no qual Gaza é completamente destruída”.

Israel continua seus ataques em Rafah apesar de “advertências explícitas” de que eles poderiam ter consequências “genocidas”, disse o advogado sul-africano Tembeka Ngcukaitobi.

Israel, que rejeitou a alegação da África do Sul de que está violando a Convenção de Genocídio de 1949 como infundada, responderá na sexta-feira.

Minutos antes da abertura das audiências no tribunal, o ministro da Defesa de Israel, Yoav Gallant, disse que a operação amplamente criticada em Rafah “continuará à medida que forças adicionais entrarão” na área.

Publicidade

Rafah é uma cidade minúscula e superlotada onde centenas de milhares de palestinos se abrigaram em tendas e enfrentam a rápida propagação de doenças e uma grave escassez de alimentos e água limpa. O único hospital da região fechou, deixando apenas uma pequena unidade que foi sobrecarregada.

Juízes da CIJ já emitiram medidas provisórias, ordenando a Israel que tome medidas para limitar o sofrimento humanitário em Gaza.

Entre essas disposições, há a ordem para Israel garantir que suprimentos básicos de alimentos chegassem sem demora aos palestinos em Gaza, todos eles sofrendo de fome severa, como resultado do cerco total de Israel.

Publicidade

Este mês, o exército israelense apreendeu e fechou o lado palestino da passagem de fronteira de Rafah entre a Faixa de Gaza e o Egito, um ponto de entrada vital para ajuda humanitária. As agências de ajuda alertaram que o fechamento prejudicou significativamente suas operações.

Por ser o principal centro de ajuda humanitária de Gaza, “se Rafah cair, Gaza também cai”, disse a África do Sul em uma declaração escrita ao tribunal.

“O impedimento da ajuda humanitária não pode ser visto como nada além de extinção deliberada das vidas palestinas. Fome a ponto de fome”, disse o advogado Adila Hassim.

Publicidade

ONU pede cessar-fogo entre Israel e Hamas

António Guterres, secretário-geral das Nações Unidas, pediu novamente por um “cessar-fogo imediato” na Faixa de Gaza. Em um discurso em vídeo divulgado no último domingo (12), ele destacou que as forças israelenses já mataram mais de 35.000 palestinos no território desde o início dos ataques em outubro de 2023.

Além disso, Guterres solicitou a “libertação incondicional de todos os cativos detidos pelo Hamas, bem como a um aumento imediato na ajuda humanitária” para Gaza.

Assine nossa newsletter

Cadastre-se para receber grátis o Menu Executivo Perfil Brasil, com todo conteúdo, análises e a cobertura mais completa.

Grátis em sua caixa de entrada. Pode cancelar quando quiser.