Jeffrey Sachs afirma, “O sistema financeiro global está quebrado e precisa ser consertado urgentemente”

*Por Jorge Fontevecchia – Cofundador da Editora Perfil – CEO de Perfil Network.

Jeffrey Sachs afirma, O sistema financeiro global está quebrado e precisa ser consertado urgentemente
(Créditos: Theo Wargo/ Getty Images for Global Citizen)

Assessor de Martín Guzmán na recente reestruturação da dívida com o FMI, o famoso economista Jeffrey Sachs, afirma que o problema da inflação se deve à má reputação da Argentina no mercado financeiro internacional e enfatiza que “esse país deve evitar grandes reviravoltas na política”. Ele confia que as metas acordadas serão cumpridas, a confiança será restaurada e o financiamento de créditos internacionais será normalizado para alcançar a estabilidade econômica de longo prazo.

Publicidade

Tendo em mente sua posição de revisar o sistema financeiro global para torná-lo mais amigável aos países em desenvolvimento, como você vê o recente acordo de refinanciamento da dívida da Argentina com o FMI?

Este é um bom negócio. Dá à Argentina tempo para se recuperar das convulsões da última década (crise da dívida, Covid, guerra na Ucrânia) e traçar um novo caminho de crescimento de longo prazo.

Você acha que o acordo que a Argentina fez com o FMI é um acordo novo e que está fora dos parâmetros da organização?

As condições são bastante razoáveis. Não há condições estritas ou duras do FMI, e nenhuma foi necessária na minha opinião. O problema básico da Argentina é a má reputação do país nos mercados internacionais de capitais e, portanto, a dificuldade de pagar rotineiramente a dívida pública. Dado o vencimento de grande parte da dívida com o FMI, foi necessário refinanciar essa dívida com o FMI. Com o novo acordo com o FMI esse objetivo é alcançado.

Publicidade

Você acha que a pandemia amenizou ou flexibilizou as organizações internacionais de crédito, principalmente o FMI?

A pandemia destacou a necessidade de aumentar o financiamento em termos não punitivos. O FMI está respondendo a essa necessidade.

Uma questão que gerou muita discussão no Congresso foi a redução dos subsídios, uma das demandas do FMI. Você acha que esses subsídios de energia devem ser eliminados ou são necessários como parte dos salários dos trabalhadores?

Publicidade

Acredito que o governo negociou um acordo razoável em várias questões diferentes. O programa deve ser visto como um pacote, e acho que como pacote é muito razoável.

“O problema básico da Argentina é a má reputação do país no mercado internacional de capitais”

Você acha que o acordo de refinanciamento da dívida assinado com o FMI é sustentável?

Publicidade

Sim. Seria conveniente que a Argentina voltasse a entrar nos mercados de capitais internacionais nos próximos dois anos, para poder refinanciar regularmente os pagamentos da dívida a partir de 2024, em vez de fazê-lo em um contexto de crise.

A diretora-gerente do FMI, Kristalina Georgieva, disse na semana passada sobre o novo espírito do Fundo: “Estou determinada a apoiar nossos membros da maneira que pudermos”. “Agora é a hora de aproveitar esta oportunidade para construir um mundo melhor.” O FMI contribuiu no passado para criar este mundo pior?

Os países ricos, liderados pelos Estados Unidos e Europa, ignoraram completamente as necessidades de financiamento das nações mais pobres. O resultado tem sido muitas crises financeiras e de dívida e fluxo de capital inadequado. O FMI poderia ter feito mais no passado para resolver esta crise, mas afinal, o FMI é governado principalmente por países ricos. A administração do FMI está agora se esforçando para lidar com o subfinanciamento crônico e a iliquidez do financiamento para o desenvolvimento.

Publicidade

Dos 85 países que receberam apoio pandêmico do FMI, 73 deles foram forçados a adotar medidas de austeridade em nome da “consolidação fiscal”. O relatório da Oxfam registra uma redução nos salários na Tunísia, uma redução nos benefícios sociais em El Salvador e a eliminação dos subsídios de energia no Egito. A austeridade do FMI deixa os 10% mais ricos financeiramente mais fortes, mas apenas empobrece os 90% mais pobres?

O problema não são as condições do FMI em geral. O problema é a Covid combinada com o fracasso crônico de todo o sistema financeiro global em fornecer um fluxo adequado de financiamento aos países em desenvolvimento. O sistema está quebrado e precisa ser consertado com urgência. Esta deve ser a prioridade do G20.

Contrariamente ao seu novo espírito de solidariedade, as taxas de sobretaxa de juros dobraram de um bilhão de pesos para dois bilhões de pesos entre 2019 e 2021, enquanto o número de países que enfrentam sobretaxas aumentou de nove para 16. Até 2025, o FMI espera que esse número aumente a 38. A Ucrânia invadida em apenas dois anos teve US$ 423 milhões em juros, o equivalente a 25% de todo o orçamento de saúde do país. Você concorda com a crítica de Joseph Stiglitz sobre a cobrança de juros em países menos solventes?

Sim, esses juros definitivamente pioram as coisas. Devemos acabar com a política de sobretaxas. O G20 deveria recomendar tal medida.

“O sistema financeiro global está quebrado e precisa ser consertado urgentemente”

Ele também disse que “a situação econômica da Argentina é melhor do que a de muitos países que a criticam, mas sua reputação é a pior do mundo”. Qual você acha que é a razão para a má reputação da Argentina?

A má reputação da Argentina se deve ao seu histórico financeiro, não à sua situação atual. Este país teve tanta inflação, tantas vezes deu calote, sofreu tanta turbulência, que o mundo espera que a Argentina sofra novas crises. Eu gostaria que a Argentina provasse que esses céticos estão errados.

Que “a Argentina tem 50% de inflação e reputação 0”, segundo as próprias declarações, não é um problema para a economia e para possíveis investimentos estrangeiros no país?

Claro, é um grande problema. O que quero dizer é que é um problema solucionável. A inflação não se deve à irresponsabilidade atual, nem a grandes dívidas, nem a enormes déficits orçamentários. É devido a uma má reputação, pelo que o Governo não tem acesso como empréstimos normais do mercado em condições normais. Gostaria que a Argentina recuperasse seu bom nome nas finanças internacionais. Se você olhar os dados, a situação real do orçamento e da dívida, é possível fazer isso.

Você acha que o FMI sob a direção de Kristalina Georgieva tem um novo espírito de solidariedade e que suas receitas para os países mais pobres entendem e se ajustam à idiossincrasia e realidade econômica de cada país?

Sim, você está fazendo um trabalho excepcionalmente bom. E contribuiu para que o acordo do FMI com a Argentina fosse bom e eficaz.

No Congresso Nacional está sendo debatido um projeto apresentado pelo partido no poder, que consiste em pagar a dívida ao FMI com ativos não declarados, ou seja, com os dólares, propriedades e títulos de ações que os argentinos possuem no exterior, para os que não pagam impostos e isso é estimado em cerca de US$ 300 bilhões. O que você acha dessa proposta, você acha que seria correta e viável?

Minha principal esperança é que a dívida do FMI seja refinanciada na forma de novos empréstimos de longo prazo, vindos do mercado internacional de capitais, que substituam a dívida de curto prazo contratada com o FMI. Os juros de empréstimos de longo prazo devem, obviamente, ser pagos com impostos. O sistema tributário deve, obviamente, ser justo e transparente, incluindo o pagamento de impostos sobre todos os rendimentos, incluindo rendimentos estrangeiros, conforme estabelecido por lei.

“Precisamos de muito mais financiamento de emissões zero de carbono para os países em desenvolvimento”

Em muitos países do mundo, depois de passar pela fase mais difícil de confinamento e contração econômica devido à pandemia, na maioria dos países onde houve eleições, os partidos no poder perderam as eleições, e houve um deslocamento dos eleitores para o certo. Agora na França, por exemplo, está ocorrendo um segundo turno entre a centro-direita de Macron e a extrema-direita de Le Pen. Como você analisa ou o que você acha dessa virada do mundo para a direita?

Como defensor da social-democracia e do multilateralismo, sou obviamente contra a virada para a economia conservadora e o nacionalismo. Acho que os partidos progressistas deveriam fazer uma grande campanha sobre os benefícios da social-democracia e da cooperação global.

Se nas eleições presidenciais de 2023 um novo governo assumir uma linha neoliberal, como o antecessor do atual que assumiu a dívida atual com o FMI, você acha que seria um erro mudar a política econômica que o governo de Alberto Fernández vem realizando?

Acredito que este país deve evitar grandes reviravoltas na política, ou novos “atos heroicos”. Este país precisa se recuperar e alcançar o desenvolvimento sustentável após um período longo e tumultuado. Espero que se forme um grande consenso sobre políticas razoáveis ​​e que em 2023 haja políticas fiscais estáveis ​​em ano eleitoral.

Você acha que a Ucrânia deveria concordar com a neutralidade em relação a fazer parte da OTAN, e também ceder às exigências da Rússia de autonomia das regiões de Donbas junto com a anexação da Crimeia, a fim de alcançar um acordo de paz diplomático?

Sim, sem dúvida, se a Ucrânia tivesse se declarado neutra e os Estados Unidos aceitassem que a OTAN não se expandisse, talvez não houvesse guerra.

Se a Ucrânia ceder às exigências da Rússia, isso pode ser visto como uma vitória russa e a perda da independência da Ucrânia?

A neutralidade não é uma perda de independência. A neutralidade da Ucrânia deve ser combinada com a retirada completa das forças militares russas.

O que você acha que acontecerá se a guerra continuar se espalhando ao longo do tempo, com comida e energia?

Teremos muito sofrimento em diferentes partes do mundo. Esse sofrimento é evitável. A guerra deve terminar com urgência e na mesa de negociações. Não vai acabar na linha de frente do campo de batalha.

O que você acha que aconteceria se Putin fosse derrotado?

Eu não sei o que “derrota” significaria neste contexto. A Rússia tem milhares de armas nucleares. Receio que a Rússia possa usá-los se suas forças convencionais forem prejudicadas ou derrotadas. Não quero discutir essa possibilidade. Quero que a paz seja negociada.

Como você imagina a nova ordem mundial a partir desse conflito, onde a Rússia está mais próxima da Ásia e da China e em desacordo com os Estados Unidos e a Europa?

A América vê o mundo em termos de alianças lideradas pelos EUA, América versus China, OTAN versus Rússia e China, ou democracias versus autocracias. Eu não concordo com essa visão. Acredito em um mundo multipolar e em todas as regiões do mundo vivendo e cooperando juntas sob a carta das Nações Unidas.

Qual a probabilidade do uso de armas nucleares pela Rússia?

É possível. É chocante e extremamente preocupante.

Você acha que as sanções econômicas aplicadas à Rússia pelo Ocidente estão funcionando para encurralar a economia russa, ou será que o Ocidente acaba sendo prejudicado por essas sanções se o conflito se prolongar ao longo do tempo, por exemplo, em relação à falta de gás e de comida?

Não acho que as sanções sejam eficazes o suficiente para forçar a Rússia a deixar o campo de batalha ou a ser derrotada. As sanções raramente atingem esse efeito.

Como você acha que uma retirada da OTAN, e com ela provavelmente da União Europeia, impactaria a sociedade ucraniana?

Acho que a neutralidade é altamente desejável. É o passo prudencial para a Ucrânia. A Ucrânia não deveria ter abandonado a neutralidade depois de 2014. Foi um erro tático. Os Estados Unidos também não deveriam ter empurrado a expansão da OTAN para a Ucrânia em 2008. Foi assim que a crise surgiu.

“Gostaria que a Argentina mostrasse aos céticos que estão errados”

Se um acordo diplomático como o que você menciona em seu artigo de 28 de março publicado no “Project Syndicate” fosse alcançado, como você acha que a ordem mundial das grandes potências Rússia, China e Estados Unidos seria estabelecida?

Eu gostaria de ver um mundo multilateral e multipolar que funcionasse sob o estatuto das Nações Unidas.

O presidente dos EUA, Joe Biden, apresenta a guerra na Ucrânia como a continuação de uma longa luta pela democracia contra a força bruta russa. Você acha que essa é realmente a luta dos Estados Unidos ou é a oportunidade de exercer sua hegemonia, e fortalecê-la diante do declínio que vinha enfrentando devido ao aumento de poder de outros países como China, por exemplo?

Acho que Biden está errado. Não precisamos de uma luta da democracia contra a autocracia. Precisamos de uma luta comum contra a pobreza, o analfabetismo, as mudanças climáticas, a perda de biodiversidade e outros males que a humanidade enfrenta.

Em um artigo que publicou no “El País”, defendeu a revisão de um sistema financeiro global, onde os países em desenvolvimento sofram menos qualificação para acesso ao crédito internacional e as altas taxas de juros que essas qualificações provocam. Como seria um sistema financeiro global mais justo e que realmente ajudasse a impulsionar as economias em desenvolvimento?

Deveríamos ter maiores fluxos de financiamento dos países ricos para os países pobres, pois os países pobres têm escassez de capital e têm um retorno social muito maior sobre os fluxos de investimento. No entanto, o sistema financeiro internacional não está funcionando adequadamente. É muito míope e propenso a crises.

Em relação ao aquecimento global, está na agenda mundial há alguns anos, a Agenda 2030 e o acordo climático de Paris, no que diz respeito a uma necessária transformação energética, mas essa mudança não foi totalmente implementada. Por que você acha que não há progresso nessa direção e quais são as consequências sociais e econômicas de fazer essa grande mudança, que, por outro lado, se torna urgente?

Até agora, os interesses dos combustíveis fósseis têm prevalecido nas principais economias produtoras de combustíveis fósseis, e tem havido muito pouco financiamento disponível para sistemas de energia com zero carbono. Felizmente, isso está começando a mudar.

“Deveríamos ter maiores fluxos de financiamento dos países ricos para os países pobres”

A missão de desenvolvimento sustentável que os países europeus e os países mais desenvolvidos como o Japão, a Coreia, a China e os Estados Unidos que se propuseram em cumprir, irá ocorrer ao mesmo tempo. Além disso, esta transferência de energia implica um grande investimento para poder desenvolvê-la. Como você acha que países pobres ou em desenvolvimento, para os quais não é possível fazer o investimento em infraestrutura de que necessita, poderiam se alinhar a essa mudança?

Precisamos de muito mais financiamento com zero carbono para os países em desenvolvimento. Isso deve estar no topo da agenda do G20.

Um dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável da Agenda 2030 é erradicar a pobreza extrema em todas as partes do mundo. Como é alcançado?

A solução é: financiamento, cooperação global e investimentos bem direcionados em seis áreas principais: educação, saúde, energia de emissão zero, uso sustentável do solo, infraestrutura urbana e transformação digital.

O Ministro do Desenvolvimento Produtivo da Argentina, Matías Kulfas, apresentou no final de março o “Plano Argentina Productiva 2030”, entre várias missões propostas pelo plano, uma delas é a exploração do potencial mineiro do país, especialmente lítio, e de a exploração offshore de hidrocarbonetos, que gerou uma forte rejeição por parte dos ambientalistas e das comunidades próximas a esses pontos de exploração, mas, por outro lado, geraria fortes receitas em divisas. Você que é um defensor do desenvolvimento sustentável, e a ONU pede para acabar com a era do carvão, petróleo e gás. Você acha que deve haver progresso no desenvolvimento da exploração desses recursos e das indústrias derivadas?

Os hidrocarbonetos só serão viáveis ​​nas décadas de 2040 e 2050 como fonte de combustíveis de carbono zero (por exemplo, hidrogênio) ou para energia de carbono zero, ambos usando captura e armazenamento de carbono (ACC). Caso contrário, os atuais investimentos em hidrocarbonetos em larga escala provavelmente ficarão encalhados no futuro. Este país tem um enorme potencial para as energias renováveis, devendo dar prioridade a essas fontes de energia, e planear a utilização de hidrocarbonetos apenas no contexto de um sistema energético zero carbono, ou seja, para o hidrogénio azul ou para a energia com CAC.

*O relatório foi respondido por escrito por Jeffrey Sachs. As fotografias são do relatório anterior feito ao economista em sua viagem anterior à Argentina.

*Produção – Sol Bacigalupo e Natalia Gelfman.

*Este texto não reflete, necessariamente, a opinião da Perfil Brasil.

*Texto publicado originalmente no site Perfil Argentina.